26.5.12

Invocas

Tu invocas aquela calçada irregular, aquele sol que te queima a cara e aquele cheiro a mar salgado. Tu invocas mil coisas para ser feliz. Invocas o amor ruidoso que te remexe o estômago. Invocas o nome dele na tua cama fria. Invocas o imaginário supérfluo ao som daquela música que te arrepia. Num segundo.  

24.5.12

Sinestesia


As antíteses fazem os homens e os eufemismos esbeltam as mulheres. Tudo na mulher pertence ao homem mas é dela a delicadeza que os aprisiona. Eu sou a metáfora e tu a sinestesia. Eu crio o mundo e tu o concretizas. Tu dás a métrica ao tom lírico do mundo. És tu quem me dizes como amar ao fim da noite. É a ti que o final do verso rima com a tua boca. És tu quem me lê o olhar e me . É a ti a quem me entrego em cada saliva.