9.3.12

Juízo

Não houve palavras premeditadas, nem impulsos que não fossem atos reflexos. O desejo e o furor de te sentir quente na minha pele so pela definição se arde em mim. Ja dentro do peito. Ja dentro do peito, mora o medo. Num entretanto perguntas me o que penso. E eu arremato entre o meu juízo porque é que não perguntas o que sinto? Seria uma resposta tao mais certa. 

3 comentários:

  1. Olha, como é possível dares tanta vida, tanto sentimento, as simples palavras?
    Estou presa a este teu blog e como gostei deste post!

    ResponderEliminar
  2. estas coisas são tão tuas Marie *

    ResponderEliminar
  3. I love the way you write *.*

    blackbowtiie.blogspot.com

    ResponderEliminar

Deixa o teu primeiro impulso deslizar pelos os dedos.