13.8.10

Sayed



Arrependo-me de tudo e não me arrependo de nada. Há coisas que não se deveriam de dizer. E a revolta pronunciou-se então num tom exagerado. Cuja essa que remoeu no interior até não puder mais e depois se explodiu para o exterior. Lá no fundo não gosto das tuas indirectas nem das tuas ironias. E é certo que não foi a melhor maneira nem lugar para te dizer tudo aquilo. Lamento, mas precisavas de te aperceber que há coisas que magoam por muito que sejam ditas na maior das banalidades. 

3 comentários:

  1. Ainda bem que gostas querida (:

    ResponderEliminar
  2. obrigada por me dares o previlégio de ler o que escreves. adoro, adoro, adoro como usas as palavras. Continua (:

    ResponderEliminar

Deixa o teu primeiro impulso deslizar pelos os dedos.