19.5.10

Vem dar vida aos sentimentos das minhas entrelinhas porque o preto com que desdobro as letras aqui rasuradas pode ser uma cor mas não é vida, não é vivo, não é amado por ti.

16.5.10

Happy Birthday

Happy Birthday to me!
16 Maio 2010
The fuck Fifteen!

15.5.10

FUCK

Your silence screams goodbye
Your silence is your words that you never say
Your silence is fuck!

13.5.10

Faz-te á estrada!

Faz-te á estrada! Faz as malas, abarrotadas das minhas lágrimas e recordações, e sai daqui. Vai conhecer o mundo e outros lugares. Parte para um país exótico ou para um país tão gélido quanto tu. Descobre e magoa outras almas tão amantes quanto a minha. Faz-te á estrada e sê aventureiro! Respira o perigo e flui adrenalina. Assusta-te e deslumbra-te com outras culturas, novas ideias, novos sons e novos tons. Faz-te á estrada e não desejes alma que te viu partir mas sonha com aquela que te vê chegar. Faz isto e muito mais! Faz-te á estrada oh amor que rompes a minha alma.

9.5.10

Sedução

      Encosta e enrosca o teu corpo ao meu.
      Dá o teu máximo e puxa pelo meu. Beija-me. Acaricia-me. Deseja-me. Descobre-me. Contorna e define-me as formas.
      Ousa-te nos gestos. Desprende-te no olhar. Perde-te no prazer. Solta-te do verbo hesitar.
      Não quero fatalidades ou banalidades.
     Quero a cumplicidade da loucura dos nossos corpos entrelaçados.
      Não existe modo imperativo. Existem desejos simples, dolorosos e doces, esfomeados de prazer nu, cru e vivo.

5.5.10

Ilusão oculta

De braços esticados e com as mãos nos bolsos de trás, sentia o mundo a ecoar no meus ouvidos enquanto apreciava o cair da noite.
As saudades das entrelinhas entusiasmavam o meu corpo e a felicidade, há muito adormecida, despertara novamente num sorriso subtilmente rasgado.
A fraqueza provocada pelo desespero dera agora lugar a um renovado apetite de te desejar por completo, de te possuir o corpo e desfrutar da alma.
Elegante, Inconsciente e habilidosamente conquistavas a minha consciência e invadias o meu subconsciente. Mergulhavas a minha cabeça em mares de sonhos e afundavas-me em perdições. Oxigenavas-me o sangue de lembranças e sufocavas-me de novas ilusões.

De braços esticados e de corpo estendido agora no chão, saboreava o suspiro de felicidade que se acentuava no coração, matando-me aos poucos disfarçando a ilusão que o constituia.

2.5.10

Eu, sou o teu pensamento esquecido

      Coincidências? Destino?
      Vibra em mim uma necessidade de te tocar na alma com simples palavras e por momentos reavivar-te a minha existência. (E é por isso que te escrevo aqui.)
      E tu, sentistes a falta dessas palavras que te saboreiam o ego e confessaste-o ingenuamente á tua melhor amiga:
      -Até me admira a Marie nunca mais me ter dito nada.
      Hoje, quem se admira sou eu! Nunca imaginei que a mensagem que te mandara na quarta fosse responder ao teu pensamento e presentear esse teu ego. Nunca um banal “olá” numa mera sms definiu-se por tanto.
      Quando me apercebi de tudo isto, estupidamente fiquei estupefacta e pensei:
      -Oh, aquela besta ainda se lembra do meu nome?
      E pensando agora, que merda foi esta que aconteceu? Que raio de ligação criou-se entre nós mesmo sem tu me teres respondido á mensagem, mas eu ter respondido ao teu pensamento?
      Coincidências? Destino? Eu não acredito em nada disso, acredito no meu amor por ti!