31.3.10

Queria que me abraçasses para eu voltar a sentir essa tua loucura latente que me dava paz, segurança e um conforto que eu nunca mais voltei a sentir.

30.3.10

Mensagem sem resposta

"A covardia tomou conta de mim e não houve coragem suficiente para te ligar, ouvir a tua voz e dizer-te o que ainda predomina. Nunca nenhuma data possuiu tantas recordações, tanta dor, tanto desejo e tanta saudade de te ter, aqui, por perto. Por mais que procure e que tente ninguém te substitui, ninguém possui o que tu causas em mim. Não vale a pena prometer a mim mesma para desistir de ti, a promessa será sempre quebrada. Pedir-te para ficares comigo seria um pedido em vão como amar-te está a ser. Lamento a persistência, lamento a eloquência, mas para mim é impossível que este dia me passe em branco sem dizer-te tudo isto. Amar-te sempre@"

29 de Março de 2010

24.3.10

O teu agora meu desejo

Onde estão as tuas certezas?
Onde está toda aquela confiança?
Onde está esse teu desejo louco?
Em mim, está a morrer a esperança,
De te ter apenas por um pouco.

E a ti? Tudo isto desapareceu?
(Se calhar até mesmo morreu,
nessa tua pequena alma).
Mas tu ainda não percebeste?
Ou melhor, não entendeste?
Aqui já não reina a calma
Porque preciso de ti
Para me saciares, agora, o meu desejo
Nesta respiração e aqui.
Mas nem de miragem te vejo

Quem o desejo te saciou?
Foi quem de igual modo esperou?
Como eu vou esperando por ti?

23.3.10

O pior dos sítios

      Uma mulher com um chapéu antigo lê uma ementa num café sofisticado.
      O empregado aproxima-se. Ela levanta a cabeça. Os dois reconhecem-se.
      Ela baixa rapidamente a cabeça e mergulho os olhos na ementa.
      O empregado finge que nada aconteceu. Pergunta: O que deseja?
      Ela responde, sem levantar os olhos: Esquecer-me de si.

In Revista Máxima

16.3.10

Quando a alma morre por amor, o corpo adormece e anda á deriva do vento.

15.3.10

"o que deixaste morrer"

      Ficou tanta coisa por se fazer e muitas mais por se dizer.
      Deixou-se perdido pelo tempo tudo o que um dia alcançamos juntos.
      Foram seis meses de intimidade, outros seis de ingénua espera por ti. Foi um ano de uma vida.
      Lamento ter sido apenas para ti água que alimentava a tua sede sexual.
      Fui-me habituando ao passar do tempo e assim foste ganhando outra posição, ou mesma outra importância, na minha vida. E agora, a minha nova realidade não inclui a tua podridão humana.
      Não desisti da vida, desisti do amor. Se para ti o amor é vida, para mim amar-te foi desperdício dela.
      Jurar-te-ia que não encontrarás ninguém que te ame tanto como eu cegamente o fiz, mas não o faço porque acho que perdeste o conceito de juras e promessas.
      Agora é tarde para arrependimentos. A fadiga e o cansaço de uma luta em vão tomaram conta de mim. Agora já nada salva o que deixaste morrer. Qualquer sentimento teu é inválido nesta história.
      História essa que está a chegar ao fim.

4.3.10

Verbo querer

      Quero te olhar nos olhos e sem palavras te dizer o quanto te amo.
      Quero que perfures a minha alma vazia com esse teu olhar profundo e cheio de mistérios.
      Quero te ouvir a sussurrar aos meus ouvidos e sentir a melodia das tuas palavras tomar conta do meu espírito leve.
      Quero que me abraçasses e deixes no teu toque força para quebrar com a minha fragilidade.