1.2.10

O vento que teima em não levar a saudade


      O tempo foi passando, correndo e voando e já lá vão vários meses depois da tua partida.
      Fui me habituando ao passar do tempo, á tua ausência constante, á saudade insaciável, á solidão, ao amor não correspondido, á espera em vão… E assim fui fazendo a minha vida de hábitos e monotonias deixando-a passar diante dos meus olhos permanecendo quieta apenas olhando. De preguiça e covardia construi uma vida que não é vida, uma esperança que é ilusão, um sonho que é um pesadelo e um amor que é um afogamento.
      Passo o dia fazendo de conta que não existes ignorando que vives a tua vida paralelamente á minha, mas ao fim do dia quando me deito a tua imagem assombra-me a alma. Bombardeia-me com recordações e pensamentos envolvendo-me numa melancolia incontornável e sem saída.
      Tenho-me afogado em ti e no que um dia foste para mim.
      Amo-te agora de forma diferente, sem a mesma intensidade, sem a mesma magia nem encanto de há 10 meses atrás. (E isso de mudar os sentimentos é uma coisa que o passar do tempo proporciona, felizmente ou infelizmente sinceramente não sei.) O teu lugar na minha vida ainda permanece no meu coração alimentado pelo que resta deste meu amor.
      Não quero esquecer nem a ti nem ao passado, mesmo sabendo que era o mais acertado e o que deveria de fazer.

5 comentários:

  1. "De preguiça e covardia construi uma vida que não é vida, uma esperança que é ilusão, um sonho que é um pesadelo e um amor que é um afogamento."
    Óhh Piquenaa, sabes bem que ao longo do tempo, o sentimento irá desaparecer pelo simples facto de já não haver convivência, já não haver água que sacie esse amor (...)

    ResponderEliminar
  2. - Ana Teresafevereiro 06, 2010

    WOW , que lindooo Mariee , mesmo *.*
    queridonaaaaa (L

    ResponderEliminar
  3. - Ana Teresafevereiro 06, 2010

    Um dos melhores que fizes-teee . (:

    ResponderEliminar
  4. Luciana lopesfevereiro 07, 2010

    Tu és uma rapariga, muito corajosa, és uma pessoa muito amiga, adoro te Marie, vales tudo:D

    ResponderEliminar
  5. Olá, Marie!
    Como já te disse, tanto pessoalmente como através do blog, a tua escrita é sem dúvida nenhuma única. Escreves de uma forma mágica, mistificando o meio que te envolve com o teu estado de espiríto no texto, e eu penso que isso é uma forma extraordinária de analogia. Vê-se que amas escrever, porque consegues transmitir todos os teus sentimentos através dos teus textos, coisa que só alguém que ama o que escreve pode fazer. Mais uma vez, obrigada por me dares a conhecer a tua escrita, arrepia-me, fascina-me e faz-me viver sensações de maneira um pouco bizarra, mas isso é muito positivo!
    Também te quero dar alento: vê-se que já estás a lidar melhor com o teu problema. Tu atribuies esse feito ao tempo, mas também acho que é outra coisa... tu estás a começar a acordar desse grande sonho, que pelo vistos foi um excelente sonho, que foi o teu amor por ele. Não interpretes mal, não estou a dizer que o vosso amor não foi verdadeiro, só que quando estamos apaixonados, não vemos razão para nada sem ser estar com a pessoa que amamos, e isso, de certa forma, tolda-nos os sentidos, facto que nos põem a viver numa espécie de 'sonho'. Mas tu estás a superar o drama e isso é muito bom! Como tua amiga, quero dar-te os meus parabéns e quero incentivar-te a continuar a sonhar, porque tu precisas disso! Além disso, como tu própria dizes, o tempo cura tudo, e sei-o por experiência própria. Hoje, estamos a sofrer imenso e parece que a vida não tem sentido sem esse grande 'sol', no qual a nossa vida parecia girar, mas amanhã, as coisas mudam, o tempo passa, e tu vais melhorar desse estado de tristeza. Força aí!
    Tens de me desculpar o tamanho dos comentários, mas tenho tanto a dizer!
    Beijinhos,
    Inês

    ResponderEliminar

Deixa o teu primeiro impulso deslizar pelos os dedos.