18.2.10

Milésimos de segundos e um olhar

      Escrevo-te há já alguns meses e nem tenho perguntado como tens estado, o que tens feito da tua vida.
      Vi-te no outro dia.
      Passei de carro por ti, vi o teu vulto ao longe que foi ganhando nitidez a cada milésimo de segundo.Caminhavas pelo passeio com uma amiga nossa e fazia um frio de rachar. Estavas agasalhado e apenas só vi uma parte do teu rosto que estava descoberto, mas mesmo assim não me passaste indiferente.
      O meu olhar estava fixado em ti e enquanto o carro continuava a andar girando o meu pescoço.
      Tu olhaste para mim e cruzamos o olhar. Não sei se me reconheceste, porque passei por ti num piscar de olhos, mas se sim disfarçaste muito bem.
      Como apareceste rapidamente no meu campo de visão ainda mais rapidamente desapareceste, agora já no espelho retrovisor. Não deu tempo para te olhar com maior atenção, para eu tentar te dizer alguma coisa pelo olhar, para ver melhor a tua cara e avivar a tua imagem na minha memória. Apenas deu tempo para tu mexeres comigo.
      (…)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa o teu primeiro impulso deslizar pelos os dedos.